Programa De Olho na Cidade

Advogado de Colbert busca liberação ainda hoje

O advogado Thiago Machado, que está atuando na defesa do ex-deputado Colbert Martins Filho (PMDB), vai ingressar com uma ação judicial no Tribunal Regional Federal ainda nesta quarta-feira (10). Ele tenta para hoje a liberação de Colbert e do secretário-executivo do Ministério do Turismo, Frederico Costa, que permanecem presos no Amapá.

A notícia é do site Folha.com. Leia na íntegra:

Defesa de número 2 do Turismo preso entrará com habeas corpus

A defesa do secretário-executivo do Ministério do Turismo, Frederico Costa, disse nesta quarta-feira que a prisão feita na terça-feira (9) pela Polícia Federal durante a Operação Voucher foi baseada numa ordem judicial feita "apenas com presunções".

Segundo o advogado Thiago Machado, que também defende o secretário nacional de Programas e Desenvolvimento do Turismo, Colbert Martins da Silva Filho, não motivos para manter a prisão dos acusados. Eles foram afastados do ministério.

"Contestamos a decisão judicial que ordenou a prisão, que se baseou apenas em presunções que não se confirmaram. Para se ordenar a prisão é preciso fatos concretos, e não apenas presunções", disse à Folha Thiago Machado.

Na terça-feira, os 19 presos preventivamente pela PF na operação foram encaminhados ao Amapá, onde o processo corre. Machado disse que irá a Brasília ainda nesta quarta-feira para entrar com um habeas corpus no TRF (Tribunal Regional Federal)daRegião, instância superior à vara federal no Amapá.

Além de discordar dos motivos da prisão, a defesa argumenta ainda que não o suposto risco de eliminação de provas, uma vez que a PF apreendeu documentos durante a operação.

De acordo com o advogado, a defesa não teve acesso à integra do processo e, por isso, os presos não sabem do que são acusados. "Nossa orientação é que eles falem em juízo e exerçam o direito de ficar em silêncio no depoimento à Polícia Federal, que não tivemos acesso ao processo e não sabemos do que são acusados", afirmou Machado.

VOUCHER

A Polícia Federal deflagrou na terça-feira a Operação Voucher, com o objetivo de investigar desvio de dinheiro num convênio de R$ 4,45 milhões firmado entre o Ministério do Turismo e o Ibrasi (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável), foco da fraude. No total, 35 pessoas foram presas.

Na ação, com cerca de 200 policiais federais, divididos em São Paulo, Brasília e Macapá, a PF cumpriu 19 mandados de prisão preventiva e 19 mandados de prisão temporária --também foram expedidos sete mandados de busca e apreensão.

Whatsapp
Google+
Versão Clássica