Programa De Olho na Cidade

Colbert presta depoimento no Amapá

Os integrantes da cúpula do Ministério do Turismo presos na Operação Voucher da Polícia Federal pouco esclareceram sobre os convênios suspeitos com a pasta nos depoimentos prestados. O secretário executivo, Frederico Silva Costa, usou o direito constitucional de permanecer calado. Não respondeu a perguntas, por exemplo, sobre sua relação com os donos do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), pivô do esquema descoberto pela polícia.

Frederico Costa também não quis comentar sobre a gravação telefônica em que, segundo a Polícia Federal, orienta um empresário sobre como montar uma entidade sem fins lucrativos de fachada.

O secretário Nacional de Desenvolvimento de Programas para o Turismo, Colbert Martins, disse à PF que autorizou a liberação de R$ 900 mil para o Ibrasi, em abril deste ano, com base em nota técnica e análise jurídica do ministério. Alegou que, na época, havia assumido o cargo havia pouco menos de 30 dias. Disse ainda que nunca desconfiou de irregularidades no convênio.

Preso também, o ex-secretário executivo do ministério Mário Augusto Lopes Moysés negou qualquer envolvimento com o esquema. Afirmou desconhecer os donos do Ibrasi e qualquer irregularidade nos convênios. Assim como Colbert, alegou que autorizava os pagamentos no governo passado com base em notas técnicas.

Whatsapp
Google+
Versão Clássica