Programa De Olho na Cidade

Pipoca do Valdir: exemplo do empreendedorismo popular

Victória Silva

Pela segunda vez, o empresário Valdir Novaki vem a Feira de Santana para contar a sua trajetória até se tornar o melhor pipoqueiro do Brasil. Apostando em qualidade, criatividade e atenção ao consumidor, Valdir conquistou seu espaço no mercado, e conseguiu se firmar como o melhor pipoqueiro do Brasil. Ficou conhecido, e hoje ministra palestras para grandes corporações, entre elas a da Semana Sebrae realizada na noite de ontem (06) em Feira de Santana.

Em São Mateus do Sul, onde nasceu Valdir era boia-fria, filho de uma família numerosa de 12 irmãos. Hoje, o pipoqueiro é reconhecido pela forma como administra seu negócio, as inovações renderam a ele o reconhecimento em todo o país e até mesmo fora dele.

Vindo do interior, Valdir mostrou ser um grande empreendedor. Ele percebeu que as pessoas deixavam de comprar pipoca devido à falta de qualidade e limpeza.

“No meu dia a dia de trabalho nós temos que ter vários segmentos como o cuidado com o atendimento, com a gestão do negócio e a importância da capacitação e a Pipoca do Valdir se transformou nesse grande sucesso devido a minha formalização do Sebrae.” Relatou.

Seu carrinho de pipoca, localizado na Praça Tiradentes, tem uma higiene impecável. Assim como seu uniforme branco alvejado, que é trocado diariamente. Valdir criou dois cartões que os clientes adoram: o cartão fidelidade (na compra de cinco saquinhos de pipoca, o cliente leva outro gratuitamente) e o cartão pré-pago, que faz com o que o cliente consuma sempre, e sempre que quiser. Ele também oferece um kit especial: guardanapo, fio dental e uma balinha, para deixar ainda melhor o gosto depois da pipoca.

“Através das minhas pesquisas percebi que existem três itens que são primordiais para o crescimento do comércio, o primeiro é a qualidade no atendimento, o segundo é a qualidade do produto e o terceiro, que é o mais primordial de tudo é a limpeza. Então quando iniciei minhas atividades a primeira inovação que fiz na Pipoca do Valdir para mostrar que eu era diferenciado foi a os uniformes, todos trabalhamos uniformizados na Pipoca do Valdir, e eu pedi pra imprimir os dias da semana nos meus jalecos para o meu cliente saber que ele é trocado todos os dias.” Contou.

Por R$ 13,00, valor cobrado por um pacote grande com pipoca doce (com coco ou achocolatado) ou salgada (com bacon), Valdir promete o que os especialistas em varejo chamam de “experiência de consumo”.

“Nós temos a embalagem especial para entrega dos aplicativos de entrega, que durante a pandemia eu tive que fazer a venda pelas plataformas digitais, porque nós estávamos impossibilitados de trabalhar devido aos decretos da prefeitura, então eu busquei atender o meu cliente através das plataformas digitais.” Disse.

Valdir garante que o planejamento e a organização são essenciais para o seu negócio. “30% da minha receita líquida eu retiro todo mês pra fazer reinvestimento no meu projeto, ou seja, inovando, fazendo um anúncio para divulgar meu trabalho. Um desses projetos foi a criação do primeiro carrinho de pipoca ecológico do Brasil.” Pontuou.

Depois do destaque dado ao seu trabalho na mídia, surgiram várias propostas para contar sua história em palestras motivacionais. O pipoqueiro começou a ministrar palestras e teve a oportunidade de viajar pelo Brasil, repassando seu conhecimento para milhares de pessoas.

“Pra mim é sempre um prazer poder dividir com as pessoas estas conquistas que eu venho fazendo ao longo dos anos.” Afirmou.

Whatsapp
Google+
Versão Clássica