Programa De Olho na Cidade

Especialista explica a relação entre silicone e câncer de mama

Cresce no Brasil o número de cirurgias plásticas com implante de silicone, tanto com fins estéticos como reconstrutoras. Com isso, também surge a dúvida se a colocação de prótese de silicone causa câncer de mama ou pode dificultar o diagnóstico da doença. O cirurgia plástico, Bernardo Fontes, explica que primeiramente, é importante entender que existem diferentes tipos de próteses de silicone e que atualmente, existe uma correlação do uso de próteses texturizadas com um tipo específico de linfoma de grandes células.

“Essa é uma dúvida frequente dos nossos pacientes, na verdade, a incidência do câncer de mama em relação à prótese é muito baixa, é um câncer que nós chamamos de linfoma de grandes células, causado normalmente pelo uso de próteses de macro textura, porém, hoje a tendência do mundo da cirurgia plástica é nós utilizarmos as próteses de microtextura, ou seja, a incidência de câncer nos pacientes que colocam a prótese não aumenta e também não atrapalha em fazer o diagnóstico, mas claro que toda paciente que já passou de uma certa idade tem que fazer seu autoexame e acompanhamento com o médico especialista.” Explica.

O Dr. Bernardo salienta que o aumento da tecnologia contribui para uma maior segurança na utilização dos implantes e consequentemente no baixo risco de incidência do câncer de mama.

“O implante é um produto em silicone de várias camadas, os pacientes tem que entender que a prótese normalmente utilizada em nosso país não é um gel que você abre e ele vai derramar, as próteses tem várias camadas, é um produto extremamente seguro que não rompe com facilidade, claro que pode sim ter rupturas, mas a tecnologia desses implantes são bem desenvolvidas, em relação ao tempo dessa prótese não tem mais que trocar a cada dez anos, mas é preciso ter um acompanhamento para avaliar o posicionamento da prótese e a integridade do implante.” Afirma.

Estudos mostram que tanto os pacientes que possuem próteses quanto os que não possuem, se fizerem seus exames regularmente e o acompanhamento com o mastologista o tempo em relação ao diagnóstico não é alterado.

“O paciente com prótese ou não fazendo os exames periódicos, acompanhamento com o mastologista, nós conseguimos fazer o diagnóstico tranquilo, mesmo que tenha feito uma mamoplastia com prótese.” Salienta.

Whatsapp
Google+
Versão Clássica